segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Vida em Júpiter

Nova teoria aponta chances de vida em lua de Júpiter

Presos sob o gelo, os oceanos escondidos de Europa, uma das luas de Júpiter, podem ser turbulentos ao invés de plácidos, segundo novo estudo. Tal agitação oceânica se traduz em um maior potencial para a existência de vida.

Robert Tyler, oceanógrafo da Universidade de Washington, usou simulações de computador para mostrar que os efeitos de Júpiter em sua lua Europa podem funcionar de modo diferente do que os cientistas acreditavam. Ao invés de apenas pressionar as partes sólidas da lua - comprimindo as rochas e formando uma concha global de gelo - a força implacável de Júpiter pode também gerar ondas planetárias enormes no oceano submerso de Europa.

Essas ondas poderiam ser os veículos primários de distribuição de energia, como calor, ao longo da lua. A nova teoria se opõe a uma idéia muito difundida de que o oceano de Europa é calmo.

"De repente, toda a nossa concepção se volta para oceanos energéticos que se movimentam sob o gelo," Tyler disse. "Considero o caso específico de Europa, mas os resultados gerais se aplicam igualmente a outras luas com possíveis oceanos," ele escreveu no artigo, que aparece na Nature. Essas luas incluem Calisto e Ganímedes de Júpiter, bem como Encélado e Titã de Saturno.

À procura de calor
Europa orbita Júpiter de uma forma mais ou menos alongada. Quando alcança as curvas mais pontiagudas de cada lado, a lua estremece lançando uma energia reprimida, que se traduz em marés.

Tyler é o primeiro a sugerir que Europa, como a Terra, pode dissipar a maior parte das pressões de marés em ondas oceânicas.

David Stevenson, geólogo planetário do Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena, disse em um e-mail que a nova teoria é "uma possibilidade interessante."

"Mas no final das contas, o que vejo aqui é uma possibilidade que poderia ser (e provavelmente é) menos importante que a história convencional," ele escreveu. "Claro que seria mais instigante e relevante se não soubéssemos nada sobre como a dissipação acontece. Mas esse não é o caso."

Oceanos turbulentos aumentariam a possibilidade de existir vida em Europa

Coisas da vida
A espaçonave Galileo da Nasa investigou Júpiter e suas luas entre 1989 e 2003, enviando dados que apontavam que o oceano de Europa poderia ser de água salgada.

"Isso não significa necessariamente que seja cloreto de sódio (sal)", Tyler disse. "Poderia ser sulfato de magnésio, basicamente sal de Epsom."

Jeff Kargel, geólogo filiado à Universidade do Arizona em Tucson, sugeriu no final dos anos 1990 que os sais de Europa poderiam ajudar a abrigar vida. Kargel apontou que ainda existe muito a ser descoberto sobre a composição e densidade do líquido em Europa e sua camada de gelo.

"O grande fator é a existência de água líquida - e com esse novo estudo apontando para uma fonte de energia - as chances de vida aumentam."

Fonte: (1)

4 comentários:

Ceifador Sinistro disse...

Será que o sal que tem em Jupíter não é o Sal de Andrews ??? hahahahaha

Junior Melo disse...

Quando a Terra não puder mais nos abrigar, já temos outra alternativa....

Lili disse...

Seria legal passar as férias em outro planeta...

Marildo disse...

Ceifador, aonde tem sal de andrews, tem cerveja!!! tô nessa!!! hehehe