terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Moça com Brinco de Pérola

A Mona Lisa Holandesa

"Moça com Brinco de Pérola" é uma das mais famosas pinturas na história. Considerada a "Mona Lisa" holandesa, pouco se sabe sobre sua real inspiração. Isso porque a vida de seu criador, o holandês Johannes (ou Jan) Vermeer, é envolta em mistério.

Moça com Brinco de Pérola
O quadro - (1665-circa)
Óleo sobre tela - 46,5 x 40 cm

Sabe-se pouco da história de Vermeer: nasceu em 1632, em Delft, na Holanda, casou-se aos 20 anos com Catarina, uma jovem rica, e morreu aos 43 anos, em 1675. Das obras que realizou, 35 são conhecidas e calcula-se que cerca de 20 estejam perdidas.

Essa névoa biográfica foi suficiente para que a escritora Tracy Chevalier escrevesse o romance "Moça com Brinco de Pérola" (Bertrand Brasil, 2002), uma fantasia sobre o que levou Vermeer a realizar sua obra-prima, que se estima ter sido criada por volta de 1665. Dirigida pelo estreante Peter Webber, chega ao Brasil a versão do livro para o cinema.

A produção, uma adaptação fiel à publicação, apresenta um Vermeer (Colin Firth, de "Shakespeare Apaixonado") angustiado pelas pressões da sogra, a comerciante de suas obras. Naquela época, pintar era um trabalho artesanal realizado por encomenda.

Moça com Brinco de Pérola - O Filme

A libertação de Vermeer ocorre com o envolvimento com a nova empregada, Griet, a incrível Scarlett Johansson ("Encontros e Desencontros"), que de fato consegue ter uma grande semelhança com a modelo original.

Histórias de amor impossível são mais que clichê na cinematografia mundial, e o filme não foge a ele: mantêm uma paixão platônica, pois ele é casado, e ela, cortejada pelo filho de um açougueiro.

Entretanto, e esse é o grande mérito do filme, a reconstrução da Delft de Vermeer do século 17 faz com que o espectador consiga entrar na visualidade da obra do pintor, que retratava, de fato, mais empregados em ambientes internos do que seus mecenas.

Uma das maiores discussões sobre a obra de Vermeer é se o pintor utilizava lentes para realizar seu trabalho.
Segundo o artista inglês David Hockney, em seu livro "O Conhecimento Secreto" (Cosac & Naify, 2001), sim, Vermeer usava lentes: ele "parece encantado com os efeitos ópticos da lente e tentou recriá-las na tela".

Assim, nas suas obras, há detalhes desfocados, enquanto outros são maiores do que vistos a olho nu, o que só poderia ocorrer se o artista usasse lentes.
O diretor Webber assume como real tal proposta e mostra Vermeer com a câmara escura (precursora da fotografia), num dos momentos de sedução com Griet. No filme, é um pequeno detalhe, mas ele atesta a sofisticação visual na obra do holandês, essa sim perfeitamente transposta para a tela de cinema.

A obra tem uma estranha relação com o Brasil. "Moça com Brinco de Pérola" está exposta na Mauritshuis, em Haia, a antiga residência do conde Maurício de Nassar, o líder da invasão holandesa em Pernambuco (1636 -1644). Foi justamente nesse período que Albert Eckhout pintava telas sobre o Brasil, por encomenda de Nassau.

De volta ao filme: "Você olhou dentro de mim", afirma Griet, quando vê seu retrato acabado. "É obsceno", contesta a mulher de Vermeer.

Toda obra de arte pode gerar opiniões distintas. O filme "Moça com Brinco de Pérola" apresenta apenas uma versão. Delirante, mas fiel ao olhar misterioso da modelo.

5 comentários:

Quirino disse...

Assisti outro dia esse filme na HBO, realmente um filme muito interessante, adorei!

Caroline disse...

Assiti o filme sobre esse assunto, parece que rolou um clima entre o pintor e sua "musa"...:)

Shakira disse...

O filme é muito bacana, acho que o pintor se apaixonou por sua modelo....

Nick disse...

Eu tb vi esse filme na Sky, é muito legal, acho que no fundo o pintor queria mesmo era ter um romance com a Griet...

MARIA JOELMA MENDES disse...

Sempre revejo este filme , e sinto a mesma emoção de quando o vi pela primeira vez, ele é uma tela...